sábado, 30 de janeiro de 2010

Só quando a gente se separa é que a gente se aproxima

Um dia em que chorar fez parecer mais leve o viver.

O que eu queria de quem eu amo era tão impróprio que ficou naquela esquina, quando eu contei uma verdade que nem eu mesmo estava pronto para ver novamente. O que eu amo de quem eu quero é ainda mais solicito e indulgente que as frases que ele disse sem adjacências, sem saber que meu dentro explodia na falta das coisas mesmas que ele aventava. E eu apenas corri para meu nome, para mais uma vez confirmar quem eu sou, antes que as lembranças devorem tudo quanto sobrou dos meus risos no dia de hoje. Apenas hoje e talvez ainda não definitivamente, percebi que as tais perguntas dela eram um pedido desesperado de respostas que não me cabiam. Como tampouco me cabia admirar minha fortaleza diante da queda dela. Somos tão próximos e vencíveis que lembrar disso agora, exatamente quando ele enumera os motivos mais felizes que me fazem, a mim mesmo, expandir e querer igual. Me fez querer cruzar sua porta e apenas dizer-lhe que eu estava enganado. Que, tanto quanto ela, qualquer bala ou poema pode ferir minha fina membrana, pode extinguir a razão de meus olhos sem, contudo, interromper o que continua a crescer, mesmo quando à estrada, andamos em direções opostas sentindo a mesma brisa quente do verão que nunca foi nosso. J.M.N

Belém, 30 de janeiro de 2010 – 20:36
(ao lado do meu irmão mais próximo)

5 comentários:

Anônimo disse...

...Isto é lindo demais!Que linhas!Que sentimentos!No dia da saudede, ler teu blog e matar e reviver alma num mesmo segundo,é transcender a corpo,a alma e o espirito nas lembranças de certas vivencias...escondidas...seretas...eternizadas,que só um peito a pulsar consegue entender certos riscos e sacrificios...por mais que ninguém m entenda....Nem mesmo...a quem se ofertou.

Anônimo disse...

...Hoje, com o passar dos dias penso como eu estava enganada...Ao pensar que passaria logo...Que meu trabalho tão dedicado a sarar a dor dos outros fizesse sarar a minha...Que logo,seriam apenas lembranças...Que a exagerada alegria e doação que tenho dentro de mim me audaria...Vejo que sou tão ingênua quanto antes...estúpida talvez...Fico sobressaltada,atônita até...Cheguei a pedir colo de mãe,a fazer promessas...A chorar choros contidos...de ligar e dizer Te amo! te amo! te amo!
Quando se ama é asim cabou...Mesmo quando as verdades ...

minima intimidade maxima disse...

nossa!!!!
que coisa linda, nem vou dizer parabéns, por que o texto em si é um elogio único aos olhos.
é uma pancada nas paredes do coração, me fez pensar em mim, nas muitas vezes que falei coisas como as que acabei de ler.
te seguindo
dê uma passadinha do meu depois.
beijos.

Anônimo disse...

Lindo mesmo... fiquei muito emocionada!

Anônimo disse...

enquanto as manhãs vêm sozinhas, essas palavras são mais que um simples texto. Parecem se colocar no lugar do corpo ausente. Inspiram até para que o dia aconteça por inteiro.

Lindo.

Dani