domingo, 17 de janeiro de 2010

Perguntas de Ontem III

A cada grito a distância evoluía e surgia com o que estava debaixo de nossos trapos. Trazia para a colcha de cama algo que tinha forma e desfazia a calma das manhãs. A cada dúvida de si, ela entregava culpas para desdizer meus acalantos. Troquei tantas farpas que tive vergonha de mim. E finalmente foi chegada a hora. Finalmente um outro nome cobriu os elos entre o que tínhamos e o que ela deixou para trás. E o que de tanto se tornou mágico, enxugou-se como uma incandescente manhã no deserto. J.M.N

Pergunta de Ontem: o que de tão intenso te faz sentir que não há saída?

6 comentários:

SARA disse...

Vamos lá:

- um sentimento de amor ou de amizade ou de lealdade ou os três juntos que nada é capaz de abalar (mesmo que ele vá se transformando e se transfigurando) - não há saída, a gente se conforma com isso e pronto.

Wagner Dias Caldeira disse...

Não há saída pra sentimentos sem porta, pra paixões que nos pegam desprevenidos, pra solidão batendo na soleira da porta no mesmo ritmo da toró que cai.

Anônimo disse...

Um beijo de corpo inteiro;
A primeira vez que se diz eu te amo;
Extravagâncias no meio da tarde de trabalho.

Anônimo disse...

Resposta de ontem:
O olhar malicioso que denuncia a paixão;
A secura na boca a procura de um beijo;
O corpo febrio a arder de saudades;
As lágrimas rolarem com a força do adeus;

Anônimo disse...

a primeira vez que tive de convencer meu corpo a dormir sem o abraço dele.

Anônimo disse...

uma última despedida.